segunda-feira, 10 outubro de 2016 … germinação da ideia

O Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental de Viana do Castelo (CMIA) em colaboração com o Horto Municipal de Viana do Castelo e o Gabinete Técnico Florestal, promoveu, através de um concurso para as escolas do concelho, a comemoração do Dia Mundial da Floresta Autóctone, que se celebra a 23 de novembro. Este concurso, consistindo numa árvore 3D, abordava a promoção da floresta nativa e as espécies autóctones e apelava para a sua importância.

De todas as espécies autóctones da nossa região, os alunos mostraram bastante interesse no Pinheiro-bravo (Pinus pinaster). Então, alunos do 6ºB, 6ºE e o Clube de Ciências levaram a concurso uma maqueta de um exemplar de Pinheiro-bravo, com cerca de 80 cm de altura, construído unicamente com materiais reutilizáveis de plástico e metal.

A 23 de novembro de 2016 saiu a lista das turmas vencedoras, e qual não foi o nosso espanto, quando comunicaram que as turmas acima referidas tinham sido contempladas com o Prémio de Participação! A Escola recebeu dois exemplares de espécies arbustivas para plantação no recinto escolar.

15390788_1216579818430574_3205428939281734892_n

1. Introdução/Objetivos:

O dia 23 de Novembro foi estabelecido como o Dia da Floresta Autóctone para promover a importância da conservação das florestas naturais, sendo considerado o dia mais adaptado às condições climatéricas de Portugal e Espanha, criado inicialmente para os países do Norte da Europa.

O Pinus pinaster (Pinheiro-bravo) é uma espécie arbustiva autóctone da nossa região e pretende-se com ela proceder a uma sementeira/ plantação em laboratório.

Este projeto é direcionado para o ensino experimental das Ciências Naturais do segundo ciclo de escolaridade da Escola.

Esta investigação abrange e apela aos seguintes objetivos: reflorestação do Pinus pinaster, espécie autóctone da nossa região, principalmente nas áreas ardidas; sensibilização para a sua importância; redução dos resíduos com a reciclagem na produção de alvéolos/ vasos (parte de papel+borra de café); sensibilização para a importância da redução da reciclagem dos resíduos. Pretende-se, assim, a criação de sementeiras desta espécie autóctone em laboratório sob diferentes protocolos: criação de um vaso de pasta de papel; vaso de pasta de papel + borra de café; vaso de plástico normal; vaso de plástico normal com borra de café. Todos estes protocolos são realizados com diversos tipos de solos provenientes da nossa região. Pretende-se ainda desenvolver com os alunos o domínio de técnicas e procedimentos de investigação, fomentar o gosto pela investigação científica na aquisição de saberes teóricos e sua aplicação na prática e, finalmente, promover a articulação da escola com o meio envolvente, no sentido de conduzir a um novo caminho mais saudável e sustentável na preservação da vida e da natureza.